AVILA SPACES


Fundada: 2004 | Sede: Lisboa | Área: Serviços


Carlos Gonçalves

Com apoio de Teresa Jacinto e Os Colaboradores

Nível de Heroísmo 4.6291

Impacto Social

Capacidade Inspiracional 4.7408

Ver Site

Crise? Preferimos ver uma grande oportunidade.

01

Antes do salto

A empresa nasceu como Avila Business Centers em 2004. Nesse ano apostámos de imediato na personalização do serviço, uma característica que faltava às empresas que estavam no mercado. Decidimos que os clientes deviam ser tratados como pessoas de família e que o nosso espaço devia ser acolhedor, informal, mas sem perder o toque premium que sempre nos caracterizou. O nosso conceito funcionou muito bem e muitos dos nossos primeiros clientes viram logo as diferenças: onde outros espaços de escritórios eram frios e institucionais, nós tínhamos um serviço personalizado, cozy e preocupado com as necessidades de cada cliente. Foi isto mesmo que muitos deles nos disseram no primeiro ano. E foi este feedback que nos deu motivação para dar o ‘salto’. Foi em 2006, quando vimos a oportunidade de inovar, com um serviço que era quase desconhecido em Portugal: os escritórios virtuais.

02

O que motivou o salto

Os anos em que decidimos crescer foram os piores anos da crise no País. Tínhamos de nos diferenciar do nosso principal concorrente, uma empresa líder mundial, cotada em bolsa, mas sem a agilidade de uma empresa como a nossa. Não tínhamos a dimensão, mas tínhamos ideias, espírito de sacrifício e uma equipa que vestia a camisola e tinha a garra para trabalhar e ajudar a empresa a crescer como fosse preciso. Foi saber que tínhamos uma boa ideia e uma grande equipa que nos deu ânimo para a atravessar aquele período complicado, em que outras empresas desapareceram ou desinvestiram. Nós, ao contrário, decidimos arriscar e trazer inovação ao mercado. Modéstia à parte, fomos ‘visionários’, porque soubemos antever uma necessidade. Com a crise, que gerou muitos despedimentos, percebemos que as pessoas precisariam de novas formas de trabalho. Era a oportunidade de lançar espaços de trabalho flexíveis, ajudando estes novos profissionais a vingar num mercado laboral totalmente diferente.

03

Dar ou não o salto

Estávamos numa encruzilhada: ou ficávamos de braços cruzados e arriscávamo-nos a ser engolidos pela crise, ou éramos corajosos e dávamos um passo em frente. É isto que marca a diferença entre um líder e os outros: os líderes fogem em frente. Foi o que fizemos quando decidimos apostar no serviço de escritórios virtuais em Portugal e mais tarde no Coworking. Tínhamos de dar este salto para sobreviver num mercado que estava cada vez mais saturado com empresas a prestar o mesmo serviço que nós tínhamos inicialmente. A solução passou por nos diferenciarmos e apostar numa oferta de serviços que ia ao encontro das empresas da economia moderna, sensíveis à racionalização de custos e a novos modelos de trabalho, como os Escritórios Virtuais e o Coworking.

04

O salto

Durante o processo de mudança houve sacrifícios, tensões e muita adrenalina. A equipa do Avila foi determinante para o sucesso. O lançamento do novo serviço foi cuidadosamente preparado, exigindo muitas horas de estudo e reuniões. Nos meses antes do salto, tomámos sempre decisões prudentes, não investindo valores que depois não pudéssemos pagar. Mais do que dinheiro, apostámos nos Recursos Humanos, contratando profissionais que trouxeram novas ideias. E também em bons parceiros: a WaterDog Mobile e Swipe Twice, que nos ajudaram a desenvolver a app MyOffice, acreditaram sempre na nossa visão e souberam implementar exatamente o que tínhamos idealizado. E não nos ficámos pela app: editámos, em 2013, o livro Out-of-the-Office, onde gigantes como a Google ou a Starbucks davam a sua visão dos espaços de trabalho do século XXI. O livro permitia ao leitor usar o seu smartphone para aceder a conteúdos exclusivos e em constante atualização, o que foi outra inovação na forma de apresentar.

05

Os resultados do salto

Nunca mais parámos de crescer Em 2008 criámos o site MyOffice, depois transformado numa app – a primeira no mundo para escritórios virtuais, replicada por várias empresas. Hoje temos mais de 500 clientes. Abrimos mais um centro de escritórios, criámos empregos, concretizámos o nosso plano de expansão. Depois de reinventar o escritório virtual, abrimos uma área de coworking, que assim se une ao escritório físico individual e ao virtual no “melhor de 3 mundos”. E somos reconhecidos como um motor de inovação. Fomos um dos primeiros parceiros internacionais da rede de escritórios virtuais eOffice. Ganhámos prémios e apresentámos o nosso caso de sucesso em conferências em todo o Mundo. O nosso CEO, Carlos Gonçalves, integrou o Board da maior associação mundial de espaços de trabalho, a Global Workspace Association. O reconhecimento mais recente: um convite da Comissão Europeia para partilharmos a nossa história na European Workplace Innovation Network.

04

O salto

Durante o processo de mudança houve sacrifícios, tensões e muita adrenalina. A equipa do Avila foi determinante para o sucesso. O lançamento do novo serviço foi cuidadosamente preparado, exigindo muitas horas de estudo e reuniões. Nos meses antes do salto, tomámos sempre decisões prudentes, não investindo valores que depois não pudéssemos pagar. Mais do que dinheiro, apostámos nos Recursos Humanos, contratando profissionais que trouxeram novas ideias. E também em bons parceiros: a WaterDog Mobile e Swipe Twice, que nos ajudaram a desenvolver a app MyOffice, acreditaram sempre na nossa visão e souberam implementar exatamente o que tínhamos idealizado. E não nos ficámos pela app: editámos, em 2013, o livro Out-of-the-Office, onde gigantes como a Google ou a Starbucks davam a sua visão dos espaços de trabalho do século XXI. O livro permitia ao leitor usar o seu smartphone para aceder a conteúdos exclusivos e em constante atualização, o que foi outra inovação na forma de apresentar.

05

Os resultados do salto

Nunca mais parámos de crescer Em 2008 criámos o site MyOffice, depois transformado numa app – a primeira no mundo para escritórios virtuais, replicada por várias empresas. Hoje temos mais de 500 clientes. Abrimos mais um centro de escritórios, criámos empregos, concretizámos o nosso plano de expansão. Depois de reinventar o escritório virtual, abrimos uma área de coworking, que assim se une ao escritório físico individual e ao virtual no “melhor de 3 mundos”. E somos reconhecidos como um motor de inovação. Fomos um dos primeiros parceiros internacionais da rede de escritórios virtuais eOffice. Ganhámos prémios e apresentámos o nosso caso de sucesso em conferências em todo o Mundo. O nosso CEO, Carlos Gonçalves, integrou o Board da maior associação mundial de espaços de trabalho, a Global Workspace Association. O reconhecimento mais recente: um convite da Comissão Europeia para partilharmos a nossa história na European Workplace Innovation Network.