CMM - Centros Médicos e Reabilitação


Fundada: 2006 | Sede: Murtosa | Área: Serviços


Gabriel Martins da Costa

Com apoio de Fernando Costa e Jorge Rebimbas

Nível de Heroísmo 4.935379644588

Impacto Social

Capacidade Inspiracional 4.9337641357027

Ver Site

Em 2011 em plena crise quase falíamos. Hoje cuidamos de 5.000 pacientes por dia.



01

Antes do salto

Desde os 19 anos (2º ano da faculdade de Fisiot), criei a minha primeira empresa (CyberBar) com a ajuda de um empréstimo familiar de €20.000. Quase todos os dias durante 2 anos fazia 400km para trabalhar e estudar. O pouco que ganhava gastava no carro Não me arrependo. Foi um excelente "MBA"!! Aos 21 vendi a empresa por €60.000 (devolvi o empréstimo com JUROS!) e terminei o Bacharelato. De repente vejo-me sem nada palpável para fazer, e logo depois de 2 anos tão intensos… O meu pai convidou-me para sócio da sua empresa na altura, mas como rejeitei (queria começar algo do zero), acabou ele por vender a sua parte em 2005. Foi em 2006 que o click ocorreu. Decidimos em conjunto fundar (em parceria com 2 médicos) o CMM-Centro Médico da Murtosa, uma pequena empresa com uma unidade clínica ambulatória dedicada à Fisioterapia e à Reabilitação, mas também com consultas médicas de especialidade e Enfermagem com 4 funcionários diretos e alguns indiretos (médicos). Fechámos 2006 com €76.000 de VN.

02

O que motivou o salto

Em 2011, depois de um período de crescimento progressivo, os tremendos cortes nos cuidados de saúde comparticipados pelo Estado, impostos pela Troika, trouxeram catástrofe ao sector da Reabilitação e Fisioterapia. Nós fomos uma de centenas de empresas afetadas. Foi um ano muito difícil, onde os resultados foram muito negativos, e lutámos imenso para não despedir dezenas de colaboradores qualificados. Acreditámos, no entanto, na retoma do país e principalmente na nossa equipa de trabalho. Para nós, a crise foi sinónimo de oportunidade de restruturação interna e também de aquisições de outras empresas (outras clínicas) que estavam em risco de fechar as suas portas. Foi de facto, o momento mais difícil da vida do CMM, e também da minha vida adulta. A poupança dos anos anteriores, mas também o reforço financeiro por via de capitais próprios foi fundamental para a sobrevivência e para o Salto que se adivinhava. Nesta altura o VN anual era de aproximadamente €400.000 com RL negativo de 25%.

03

O salto

Em 2012, depois de um 2011 terrível, surge o CMM – Centros Médicos e Reabilitação. Decidimos dar um Salto em frente, rumo ao desconhecido. Com as poupanças desde 2006 e com aumentos de capital (nunca até hoje distribuímos dividendos), adquirimos 3 empresas (outras clínicas) que com a crise estavam em grandes dificuldades e em eminente processo de falência. Conseguimos salvar dezenas de empregos qualificados. Atravessámos a crise com a abertura de novas unidades, melhorando processos de trabalho nas unidades já existentes e entretanto adquiridas, fomos por exemplo, o primeiro caso de implementação de metodologia Kaizen (melhoria contínua) em serviços de Fisioterapia efetuado a nível mundial pelo Kaizen Institute. Desenvolvemos a nossa plataforma digital de trabalho específico para esta área da saúde (OSSOS®), sendo hoje um dos pilares da nossa empresa. Investimos imenso em formação dos profissionais e de Líderes, em equipamentos e instalações renovadas e na melhoria dos processos.

04

Os resultados do salto

O impacto do Salto decidido foi tremendo. De repente passámos de 2011 com 40 pessoas envolvidas (colaboradores e prestadores), para mais de 100 em 2013. Continuámos desde essa altura em crescimento acelerado, tendo hoje o Grupo CMM mais de 450 pessoas envolvidas. O nível de coragem teve que necessariamente ser muito elevado, e implicou sacrifício de todos os envolvidos, desde os sócios até aos colaboradores. Salvámos muitos empregos, e entretanto contratámos centenas de pessoas, no entanto o grau e nível de exigência mantém-se com o nível de 2011 dado que o setor continua a lutar com o financiamento da sua atividade. Hoje cuidamos de 5.000 pacientes todos os dias, que confiam nas mãos, coração e ciência da nossa equipa clínica. Temos o orgulho de até hoje termos conseguido conquistar as comunidades onde nos inserimos, contribuindo desde 2006 em 12 cidades portuguesas para a melhoria da qualidade de vida de mais de 120.000 pessoas. Não podia estar mais orgulhoso do que juntos conquistámos.

04

Os resultados do salto

O impacto do Salto decidido foi tremendo. De repente passámos de 2011 com 40 pessoas envolvidas (colaboradores e prestadores), para mais de 100 em 2013. Continuámos desde essa altura em crescimento acelerado, tendo hoje o Grupo CMM mais de 450 pessoas envolvidas. O nível de coragem teve que necessariamente ser muito elevado, e implicou sacrifício de todos os envolvidos, desde os sócios até aos colaboradores. Salvámos muitos empregos, e entretanto contratámos centenas de pessoas, no entanto o grau e nível de exigência mantém-se com o nível de 2011 dado que o setor continua a lutar com o financiamento da sua atividade. Hoje cuidamos de 5.000 pacientes todos os dias, que confiam nas mãos, coração e ciência da nossa equipa clínica. Temos o orgulho de até hoje termos conseguido conquistar as comunidades onde nos inserimos, contribuindo desde 2006 em 12 cidades portuguesas para a melhoria da qualidade de vida de mais de 120.000 pessoas. Não podia estar mais orgulhoso do que juntos conquistámos.