Forcefer Lda


Fundada: 2013 | Sede: Sernancelhe | Área: Construção

Ver Site

Diogo Marta

Com apoio de José Oliveira, António Oliveira e Nuno da Fonseca


Nível de Heroísmo 0

Impacto Social

Capacidade Inspiracional 0

Pontuação Apurada: 0

Não podíamos estagnar, nem ter medo de crescer. Dar o salto foi a única opção.



01

Antes do salto

Em 2013, muitos projetos agrícolas estavam a ser desenvolvidos em Portugal, graças aos apoios destinados ao sector. 

Mas, na região Norte, havia uma lacuna: não existiam empresas de construção capazes de responder às exigências desta fase. 

Por isso, decidimos pôr mãos à obra.

Tínhamos experiência e conhecimento em três áreas muito importantes- construção civil, imobiliário, construção e estruturas metálicas- e, a partir daí, formamos parcerias com outras empresas para construir mais pavilhões agrícolas no Norte do país.

Assim nasceu a Forcefer, uma empresa local sediada no concelho de Sernancelhe, Viseu. Mas com uma ambição clara e de grande dimensão: impulsionar o sector da metalomecânica no nosso país.

 

02

O que motivou o salto

Desde o início, a Forcefer teve o apoio de vários parceiros a quem precisa de agradecer. Empresas de construção civil e, mais tarde, empresas de tecnologia focadas na área agrícola que nos ajudaram a ganhar espaço no mercado.

Graças a isso, logo em 2014, começámos a alargar os nossos horizontes. Expandimos a atividade ao resto do país e começámos a fazer mais tipos de estruturas e construções.  

Tivemos um crescimento enorme em muito pouco tempo, o que foi assustador!  

Hoje chegamos a mercados externos, França nomeadamente e, além de pavilhões industriais e agrícolas, construímos salas de exposições, edifícios comerciais e residenciais, entre outros.

Mas, no meio disto tudo, deparámo-nos com um problema: dificuldade para responder a todos os pedidos que nos chegam.

A verdade é que a procura pelos nossos serviços aumentou e o limite produtivo das atuais instalações tem sido um entrave ao crescimento da Forcefer. 

Não podíamos estagnar, nem ter medo de crescer. Dar o salto foi a única opção.

 

03

O salto

De 2016 para 2017 o nosso volume de negócios duplicou- de, aproximadamente, 3 milhões de euros para 6 milhões de euros.

E a atual fábrica, um espaço alugado, deixou de ter capacidade para responder a todos os pedidos que nos chegam.

A nossa primeira opção foi comprar essas instalações, mas infelizmente não conseguimos. Este foi um momento decisivo para nós e aí tivemos de dar o salto.

Neste momento, encontramo-nos em processo de mudanças. Vamos ocupar um espaço, com uma área fabril três vezes maior que a atual. E este é um grande teste às nossas capacidades.

Dar o salto tem sido difícil sim. Estamos a falar de mais de 40 colaboradores que vão ver a sua rotina alterada. Que vão ter de “mudar de casa” e aprender a trabalhar de novas formas. Isto porque também estamos a adquirir equipamentos mais modernos que vão exigir novas competências.

Sabemos que vem aí uma fase de adaptação com grandes desafios, mas estamos bastante positivos em relação ao futuro. 

 

 

04

Os resultados do salto

O nosso salto está a ser dado agora. 

Com ele esperamos aumentar significativamente a produção, alargar a nossa equipa e, mais importante, melhorar as competências que já temos. 

Queremos ser uma referência no sector da metalomecânica e inovar na nossa relação com o cliente. Por isso é que estamos a apostar em todas estas mudanças.

O nosso objetivo final é chegar a mais mercados e levar o nome de Sernancelhe e Portugal pela Europa fora! Sempre com o apego à terra que nos caracteriza.

 

04

Os resultados do salto

O nosso salto está a ser dado agora. 

Com ele esperamos aumentar significativamente a produção, alargar a nossa equipa e, mais importante, melhorar as competências que já temos. 

Queremos ser uma referência no sector da metalomecânica e inovar na nossa relação com o cliente. Por isso é que estamos a apostar em todas estas mudanças.

O nosso objetivo final é chegar a mais mercados e levar o nome de Sernancelhe e Portugal pela Europa fora! Sempre com o apego à terra que nos caracteriza.